fbpx

Online: Projeto Guri reabre inscrição de interesse para as vagas remanescentes

matriculas_prorrogacao

O processo para manifestação de interesse de novos alunos e alunas do Projeto Guri foi reaberto no dia 8 de março e segue até o dia 19 de março, de maneira online, para os polos de ensino que ainda dispõem de vagas no interior e litoral de São Paulo. São cursos gratuitos de música para crianças, adolescentes e jovens de 6 a 18 anos incompletos (o sistema carregará os polos com cursos disponíveis para a idade informada, respeitando a faixa etária de ingresso em cada curso*).

Para ingressar no Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – basta ter entre 6 e 18 anos incompletos (até 21 anos nos cursos de luteria, nos Grupos de Referência e nos polos da Fundação CASA) e estar regularmente matriculado na escola. Não é preciso ter conhecimento prévio de música, nem possuir instrumentos ou realizar testes seletivos. Alunos e alunas têm acesso às aulas e atividades por meio da plataforma de ensino a distância, enquanto aguardam o retorno presencial, que será realizado de forma gradativa, seguindo todos os protocolos de segurança.

Para fazer a inscrição, o responsável deve acessar o link http://www.projetoguri.org.br/matricula2021/ e preencher as seguintes informações:

_ Identidade do aluno ou da aluna (nome completo, data de nascimento e número do RG ou certidão de nascimento);
_ Endereço;
_ Informar se pertence ao grupo de risco da Covid-19 (colocar sim ou não);
_ Informar se o aluno ou aluna possui deficiência auditiva (colocar sim ou não);
_ Telefone para contato, com DDD (opcional);
_ E-mail (opcional);
_ Escola em que estuda;
_ Identidade do responsável (nome completo, número do RG, telefone e e-mail);
_ Informar o polo de interesse;
_ Informar o curso de interesse (1ª e 2ª opção);
_ Ler (a assinalar ciência) nos avisos de autorização do uso de imagem e Lei Geral de Proteção de Dados.

*Tabela com a faixa etária mínima para ingresso em cada curso:

tabela de cursos

As faixas etárias acima indicam as idades apropriadas para o início em cada curso considerando razões de caráter pedagógico e de estrutura física, relacionadas ao desenvolvimento cognitivo, de maturidade muscular, tonicidade, coordenação motora fina etc.

O formulário é bem simples e poderá ser preenchido a partir de qualquer plataforma (celular IOS, celular Android, tablet, computador, etc).  Após o preenchimento, clicar em ‘enviar’ para que seja gerado o número de protocolo referente ao processo.

Posteriormente, a coordenação do polo escolhido entrará em contato com o responsável, confirmará a matrícula no curso indicado (caso haja vaga no mesmo) e fornecerá instruções para o envio dos documentos (RG, comprovante de matrícula/escolaridade e comprovante de endereço). Nesta etapa, o responsável receberá também um link com o questionário social que deve ser preenchido e enviado. As informações descritas no questionário são fundamentas para que nossas equipes conheçam as demandas dos matriculados e, com isso, tracem planos estratégicos de acordo com o perfil de cada turma e/ou aluno e aluna.

 

A matrícula só será oficializada no polo e curso escolhido após contato da coordenação e envio dos documentos do aluno/aluna.

Os endereços dos polos estão no site www.projetoguri.org.br

 

Retorno presencial

O retorno presencial deverá ocorrer de maneira progressiva, atendendo à deliberação do Plano de Retomada Consciente do Governo do Estado de São Paulo  e a autorização prévia de cada uma das cidades. As famílias receberão as informações necessárias com antecedência, cientes de que todas as medidas de segurança estão sendo tomadas, visando a saúde e o bem-estar dos Guris, familiares, empregados, empregadas e comunidade.

 

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; WestRock; Bayer; Novelis; Arteris; CSN; EMS; Grupo Maringá; NovAmérica Agrícola; Capuani do Brasil; Pinheiro Neto; VALGROUP; Raízen; BTP; Caterpillar; Cipatex; Faber-Castell; Supermercados Rondon; CNH Capital; Instituto 3M; Louis Vuitton; Mercedes-Benz; Petrom – Petroquímica Mogi das Cruzes; Castelo Alimentos; Enel; Pirelli.

Patrocinador Musicou – Sustenidos: CTG Brasil; Grupo Maringá; SulAmérica.

Patrocinador Som na Estrada – Sustenidos: Supermercados Tauste; Sky; Glovis; Supermercados Rondon.

Patrocinador Imagine Brazil e Ethno Brazil – Sustenidos: Sky e Supermercados Tauste.

Patrocinadores Institucionais da Sustenidos: Microsoft e VISA.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos no curso de luteria, nos Grupos de Referência e nos polos da Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 850 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização responsável pelos programas Projeto Guri, Som na Estrada, Musicou e MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange); pelos festivais Ethno Brazil e Imagine Brazil; e pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. No Projeto Guri desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do Estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm suporte fiscal da Lei Federal de Incentivo à Cultura e do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/

Homenagem às mulheres: Gabriele Leite, nossa ex-Guria, entra para a lista da Forbes

DSC04790_Original (1)

Gabriele Leite (foto) está na Forbes Under 30, lista da revista Forbes com os destaques de 2020 abaixo dos 30 anos.

A jovem faz mestrado em violão clássico na Manhattan School of Music, em Nova York (EUA), com bolsa de estudo integral concedida pela Cultura Artística, instituição que a apoia desde 2016. É bacharel em música pela UNESP e estudou no Conservatório de Tatuí.

Aos 23 anos, Gabriele destaca-se pela trajetória de empenho e dedicação, encanta os críticos, coleciona prêmios e inspira os jovens (e os adultos também!).

Enquanto o visto para os Estados Unidos não sai, Gabriele segue o mestrado de modo virtual. “Está sendo uma experiência enriquecedora e de grande troca cultural. Para ter noção, só nesses seis meses de aula, eu já realizei dois sonhos de fazer Masterclass com as melhores referências do violão: o violonista cubano Manuel Barrueco e o espanhol Pepe Romero”, disse a jovem que começou a trajetória musical no Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pelo Governo do Estado de Estado de São Paulo.

Em 2020, Gabriele foi eleita pelo júri popular como ‘Jovem Talento no Grande Prêmio da Revista Concerto’ e recebeu o convite para ingressar no time ‘Augustine Strings’, um grupo seleto de artistas beneficiados com os materiais da famosa marca. Em 2019, no concurso internacional de violão de Koblenz, na Alemanha, foi semifinalista e recebeu a menção de ‘Melhor Participação Brasileira’.

A violinista tocou em festivais nacionais e internacionais, como o Festival Internacional de Campos do Jordão e XIX Festival de Música de Ourinhos. Participou de Masterclass com David Russell, Fábio Zanon, Paulo Martelli, Sharon Isbin, Aniello Desiderio, Berta Rojas, Tilman Hoppstock e Franz Halasz, entre outros. Ficou em 1º lugar no I Concurso Nacional Assovio Vertentes (2018); 1º lugar no XXXI Concurso Nacional de Violão Musicalis (2018); e em 1º lugar no XXIX Concurso Nacional de violão Souza Lima (2018).

Sobre a seleção da revista Forbes, vale mencionar que cada candidato é avaliado segundo  critérios e métricas como faturamento, criatividade, ineditismo, benefíc­­­­ios sociais reais e projetados, número de pessoas impactadas e potencial de transformação no setor, no mercado, na comunidade, no país e no mundo.

HISTÓRIA

Ainda pequena, Gabriele sonhava em estudar no Conservatório de Tatuí, mas não tinha idade para entrar na instituição que, além disso, ficava em outra cidade. A mãe, costureira na cidade de Cerquilho, ouviu dizer que havia aberto um Projeto Guri no município e decidiu matricular a filha de sete anos. Gabriele permaneceu no programa pois seis anos, mesmo após o ingresso no Conservatório, conciliando os dois cursos.

“Iniciei minha musicalização no Projeto Guri. Este período foi fundamental para o meu crescimento musical, de­­­senvolvendo diversas habilidades, onde pude melhorar muito a percepção e concentração, além de entender os benefícios que a música pode trazer para nós”, explica Gabriele.

Sobre a transformação por meio da música, a artista é direta: “Quero levar a música a lugares inóspitos onde as pessoas não têm acesso, ou então, não entendam o papel fundamental dessa prestigiosa ferramenta que é a arte”, finaliza.

Do Guri para o Mundo
A história de Gabriele Leite integra a série Do Guri para o Mundo, página criada para retratar o caminho trilhado pelos Guris: quem são, onde estão e o que mudou na vida deles. São histórias inspiradoras que celebram os 25 anos do Projeto Guri e prestam homenagem aos ex-alunos beneficiados pelo programa e, consequentemente, pelo poder de transformação da música. http://www.projetoguri.org.br/noticias/do-guri-para-o-mundo/
Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; WestRock; Bayer; Novelis; Arteris; CSN; EMS; Grupo Maringá; NovAmérica Agrícola; Capuani do Brasil; Pinheiro Neto; VALGROUP; Raízen; BTP; Caterpillar; Cipatex; Faber-Castell; Supermercados Rondon; CNH Capital; Instituto 3M; Louis Vuitton; Mercedes-Benz; Petrom – Petroquímica Mogi das Cruzes; Castelo Alimentos; Enel; Pirelli.

Patrocinador Musicou – Sustenidos: CTG Brasil; Grupo Maringá; SulAmérica.

Patrocinador Som na Estrada – Sustenidos: Supermercados Tauste; Sky; Glovis; Supermercados Rondon.

Patrocinador Imagine Brazil e Ethno Brazil – Sustenidos: Sky e Supermercados Tauste.

Patrocinadores Institucionais da Sustenidos: Microsoft e VISA.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos no curso de luteria, nos Grupos de Referência e nos polos da Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 850 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização responsável pelos programas Projeto Guri, Som na Estrada, Musicou e MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange); pelos festivais Ethno Brazil e Imagine Brazil; e pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. No Projeto Guri desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do Estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm suporte fiscal da Lei Federal de Incentivo à Cultura e do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/

Confira a lista de aprovados e suplentes para os Grupos de Referência – 2021

Badi
Grupo de Referência de Santos com a cantora Badi Assad

Projeto Guri divulga a lista de aprovados e suplentes para os 13 Grupos de Referência. O processo seletivo teve início em janeiro e contou com uma série de etapas, conforme Edital. Os Grupos de Referência são conjuntos musicais – orquestras, big bands, coros e cameratas – formados por alunos e alunas em estágio avançado de aprendizagem. Todos os integrantes recebem bolsa de estudo.

Os aprovados serão contatados pelos polos para a assinatura dos Instrumentos Particulares entre os dias 1º e 5 de março. Os ensaios terão início a partir do dia 8 de março. E, independentemente do retorno presencial, alunos e alunas têm acesso às aulas e atividades por meio da plataforma de ensino a distância.

Os Grupos de Referência oferecem a oportunidade para aprimorar o conhecimento musical, melhorar as técnicas, refinar o repertório e participar de diversas atividades e eventos que proporcionam a troca de experiência entre estudantes de diferentes polos, músicos e regentes de grande destaque nacional e internacional.

Maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o Projeto Guri oferece 30 cursos gratuitos de música para crianças, adolescentes e jovens de 6 a 18 anos incompletos (até 21 anos nos cursos de luteria, nos Grupos de Referência, nos polos da Fundação CASA). Para esses cursos regulares, no interior e litoral, as inscrições de interesse seguem até o dia 26 de fevereiro, no formulário que está no site do Guri.

Confira a lista por Grupo de Referência:

Grupo de Referência de Sorocaba – Coro e Percussão

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Alexsander Vieira

20

VOZ MASCULINA
Ana Júlia da Silva Azevedo

15

VOZ FEMININA
Ana Luiza De Moraes Sant´Ana

14

PERCUSSÃO
Ana Luiza Pissinato Camargo

18

VOZ FEMININA
Clarissa Ribeiro Pereira

15

VOZ FEMININA
Ester Gomes Fernandes da Cruz

20

VOZ FEMININA
Garbila Lauana Bizutti

19

VOZ FEMININA
Giovana Crisp Domingues

18

VOZ FEMININA
João Vitor Oliveira Briamonte Lopes

18

PERCUSSÃO
Kauan Nickolas dos Santos Fernandes

15

PERCUSSÃO
Larissa Crisp Domingues

14

VOZ FEMININA
Letícia de Melo Zurdo

18

VOZ FEMININA
Maria Eduarda Pessale Salema

14

VOZ FEMININA
Marina Vieira Garcia

17

VOZ FEMININA
Milena Wincler Lourenço

15

VOZ FEMININA
Nicoly Mariana Soares da Silva

15

VOZ FEMININA
Pedro Gomes Garcia

17

VOZ MASCULINA
Thiago Muniz de oliveira

16

VOZ MASCULINA
Thomaz Crisp Domingues

16

PERCUSSÃO
Víctor Mateus Irak Silva Almeida

18

VOZ MASCULINA
Vinicius Bartosiewicz Castro Valadar

20

VOZ MASCULINA
Vitória Rafaela Ramos Martins Lima

14

VOZ FEMININA

 

Grupo de Referência de Lorena – Coro

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Ágatha Corrêa Mattos

14

VOZ FEMININA
Artur Junqueira

17

VOZ MASCULINA
Beatriz Correa Paiva

15

VOZ FEMININA
Emily de Camargo Vilela

15

VOZ FEMININA
Evelyn Vitoria Vicente

15

VOZ FEMININA
Gabriel Augusto de Oliveira Moreira

17

VOZ MASCULINA
Giovana Camile Quiroz

18

VOZ FEMININA
Jefferson Augusto Pires da Silva Castro

14

VOZ MASCULINA
Karol Luiza Santos de Oliveira

21

VOZ FEMININA
Matheus de Moura Nunes

20

VOZ MASCULINA
Nicolas Pereira dos Santos Gonçalves

17

VOZ MASCULINA
Rebeca Lara Quiroz

15

VOZ FEMININA
Sarah Vivian Rosa de Oliveira

16

VOZ FEMININA
Stephanie Kamilly Silva Aleixo

16

VOZ FEMININA
Vitória Cristina de Jesus Olimpio

20

VOZ FEMININA

Grupo de Referência de Marília – Percussão

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Bruno Takeshi Maehata Mattar

18

PERCUSSÃO
Camilly Domingues

17

PERCUSSÃO
Enzo Gravena de Oliveira

17

PERCUSSÃO
Gabriel Baréa Araújo

19

PERCUSSÃO
Gabriel Oliveira Garcia

18

PERCUSSÃO
Jonathan William Custódio Vieira Junior

18

PERCUSSÃO
Lucas Santana Nunes

19

PERCUSSÃO
Maria Eduarda Castanho Plaza

14

PERCUSSÃO
Nicolas Artaxerxes Pina Dias

15

PERCUSSÃO
Pedro Santos Codogno

17

PERCUSSÃO
Wellany Buzo Bressan do Nascimento

15

PERCUSSÃO

Grupo de Referência de Santos – Camerata de violões

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Ana Carolina G. do Nascimento Pereira

14

VIOLÃO
Anna Júlia de Souza Silva

16

VIOLÃO
Auan Julio Galvão dos Santos

15

VIOLÃO
Beatriz da Silva Pesqueira

15

VIOLÃO
Davi Atavila Vicente Ferreira

15

VIOLÃO
Evellyn Gilo da Cruz

14

VIOLÃO
Kaua Ferreira Ramos Mello

15

VIOLÃO
Leila Da Conceição Musa

13

VIOLÃO
Mariana Duarte da Silva

19

VIOLÃO
Renan Feitosa Oliveira

17

VIOLÃO

Grupo de Referência de São José do Rio Preto – Camerata de Cordas Friccionadas

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Abner da Silva Silverio

13

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Adryan Galvao Gonçalves Cardoso

17

VIOLONCELO
Ana Gabrielli Goulart de Souza

14

VIOLINO II
Cauê Oliveira

18

VIOLA
Clara Vicensoto

19

VIOLONCELO
Dandara Costa Lozada

16

VIOLA
Ester Santos Franco

17

VIOLINO I
Felipe Ferreira Prates

16

VIOLONCELO
Giovanna Batista Tomaz

16

VIOLA
Giulia de Souza Marostiga

15

VIOLA
Gustavo Mori Feltran

17

VIOLINO I
Heloísa Barbosa de Souza

14

VIOLINO II
Igor Schinelo Katsuta

14

VIOLINO I
Isis Doimo Antonini

13

VIOLINO II
Jeniffer Caroline Vernechio de Oliveira

16

VIOLINO II
José Pereira Félix

15

VIOLA
Kairo Luis Hortencio Castelli

17

VIOLINO I
Letícia Neves da Silva

13

VIOLINO II
Luiz Octavio Citolino

14

VIOLINO I
Marcos Roberto da Silva Junior

15

VIOLINO I
Matheus das Neves Santos

15

VIOLINO I
Matheus Rodrigues de Morais

20

VIOLINO I
Pedro Henrique da Silva Coope

15

VIOLINO II
Raquel Souza Prado Delfino

19

VIOLINO I
Rebeca Souza Prado Delfino

17

VIOLINO I
Sara Teofilo Oliveira

16

VIOLINO I
Sofia Nunes Pereira de Lima Rosa

15

VIOLA
Vitoria Aparecida Fernandes Dos Santos

18

VIOLINO I
Vitoria Raquel Claudio Pechilas

17

VIOLINO II

Grupo de Referência de São Carlos – Big Band

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Amanda Viana Verniz

17

FLAUTA
Ana Luisa Roma Appel

15

SAXOFONE TENOR
Carlos Eduardo Garcia Escames

20

SAXOFONE TENOR
Davyd Datheus Santos Soares

15

FLAUTA
Deise de souza lopes

18

CLARINETE
Emaus Junio Rosa Pereira

19

TROMPETE
Gabriel Duarte de Mello

15

GUITARRA
Guilherme Cerri Mendonça

15

BAIXO ELÉTRICO
Jader Gabriel de Oliveira Valbueno

20

BATERIA
Lorena Rossales

20

SAXOFONE TENOR
Luís Eduardo Da Silva Henriques

14

TROMPETE
Nicolas Cortez Sartori

16

TECLADO
Renata Carolina de Oliveira

16

TROMBONE
Renato Athaydes Quirino

14

SAXOFONE ALTO
Ryan Mendes Félix Zarantoneli

13

TROMPETE
Sara Sena de Jordão.

17

CLARINETE
Vinicius Dias de Araujo Ferreira

17

SAXOFONE ALTO
SUPLENTES
Caroline dos Santos Nunes

15

FLAUTA
Rafael Augusto Ribeiro Barboza

16

GUITARRA
Samira Leandra Balduino Cardoso

19

GUITARRA

Grupo de Referência de Araçatuba – Camerata de violões

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Amon Pimenta Medeiros

12

VIOLÃO
Elisama Siqueira Moreira

17

VIOLÃO
Eric Junji Hiraga Araki

15

VIOLÃO
Gabrielly Oliveira Marques

15

VIOLÃO
Lilian Fernandes Sinatra

17

VIOLÃO
Liliane Fernandes Sinatra

17

VIOLÃO
Lisa Hiratsuka

16

VIOLÃO
Matheus Francisco Boffi

16

VIOLÃO
Matheus Martins Fagundes

19

VIOLÃO
Natália Cristina Wang

14

VIOLÃO
Sabrina Bulgarão Rosin

16

VIOLÃO
Welton Ferreira fernandes

18

VIOLÃO

Grupo de Referência de Itaberá – Banda sinfônica

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Ana Beatriz Ramos de Carvalho

17

TROMBONE
Ana Luiza Rosa Severo

17

FLAUTA
Anne Caroline da Silva Ferreira

16

FLAUTA
Bárbara Momberg da Silva Oliveira

19

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Daniel raab da Silva Gonçalves

14

TROMPA
Eliezer Camargo da silva

16

TROMBONE
Eric Henrique Marques

17

SAXOFONE ALTO
Fabiola de Oliveira Fogaça

18

FLAUTA
Gabriel Sousa Siqueira

15

SAXOFONE ALTO
Giovana de Oliveira Santos

15

FLAUTA
Guilherme Welliton S. dos Passos Lima

20

FLAUTA
Gustavo Nunes Costa

17

SAXOFONE BARÍTONO
Joyce Raab da Silva Gonçalves

14

FLAUTA
Kaik da Silva Oliveira

16

TROMPA
Kaique augusto santos Lourenço

15

TROMPETE
Landre Daniel Magalhães de Araujo

13

CLARINETE
Marcelinne Macedo

14

CLARINETE
Maria Luiza Machado lima

15

FLAUTA
Mariana Velloso de Almeida Santos

19

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Matheus Leonardo Souza dos Santos

18

PERCUSSÃO
Pablo Alonso Latapiat de Freitas

17

PERCUSSÃO
Paulo Sergio Moreira Junior

17

EUFÔNIO
Rebeca Emanuele Furquim Pereira

18

FLAUTA
Renan Cardoso de Lima

18

TROMPETE
Samuel Rogério Cardoso Maia Rolim

16

PERCUSSÃO
Thamara Nunes Costa

18

CLARINETE
Thiago Cardoso Gonçalves

19

SAXOFONE TENOR
Tiago Macedo Cardoso

17

PERCUSSÃO
SUPLENTE
Ana Rafaela Machado Diniz

17

CONTRABAIXO ACÚSTICO

Grupo de Referência de Bauru – Banda sinfônica

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Ana Caroline Garcia dos Santos

15

TROMPA
Ana Rute Coelho da Silva

19

TROMBONE
André Vasconcelos Chilio

17

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Beatriz Atanazio Pires

16

OBOÉ
Beatriz Esteves Marciano

20

CLARINETE
Danton Melo de Assis

14

CLARINETE
Felipe Aguiar de Paula

19

TROMPETE
Felipe Navarro

14

SAXOFONE BARÍTONO
Gabriel Aguiar de Paula

16

FAGOTE
Gabriel Freire Dos Santos

15

CLARINETE
Gabriel Oliveira Campos

18

TUBA
Giovanni Aguiar De Paula

16

OBOÉ
Guilherme Alves Ribeiro

16

TUBA
Guilherme Dias Nascimento

17

SAXOFONE ALTO
Henrique Augusto Teixeira Neto

13

SAXOFONE ALTO
Higor Felipe Pereira

18

PERCUSSÃO
João Gabriel Buzolin

14

SAXOFONE TENOR
João Vitor Garcia da Silva

20

EUFÔNIO
João Vítor Venarusso Molina

20

FLAUTA
José Victor Gil Monteiro

18

FLAUTA
Josue Fernando de Paiva

21

PERCUSSÃO
Julia de Amarins Silva

14

PERCUSSÃO
Juliana Rodrigues Alves

13

CLARINETE
Kayqui Silva de Assis

17

PERCUSSÃO
Larissa Nunes Ávila

19

CLARINETE
Lucas Felipe Rezende da Silva

19

TROMPA
Lucas Gabriel Logerfo Mesquita

17

TROMPETE
Lucas Graciano

19

TROMPETE
Marcela Christini de Oliveira Emygdio

18

FLAUTA
Matheus Crescêncio Alves Maia

18

SAXOFONE BARÍTONO
Natalia Kaiti

19

FAGOTE
Pedro Henrique Estevam Marciano

13

TROMPETE
Rafaela de Oliveira Andrade

17

CLARINETE
Renan Gabriel Gomes de Souza Silva

13

TROMPETE
Roberth William da Silva Inacio

17

TROMBONE
Victória Letícia Nunes Ávila

19

FLAUTA
Vittor Alexandre B. Rufino de Oliveira

18

PERCUSSÃO
William Teodoro de Oliveira

17

CLARINETE
Yohanna Tamarozzi

16

TROMBONE
Yuri Henrique Andrade Lourenço

18

FLAUTA
SUPLENTES
Eduarda Mendes de Moraes

11

SAXOFONE ALTO
Eliel Nathan do Nascimento Tavares

17

TROMPETE
Júlia Teixeira Matheus

16

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Luan Vieira Rodrigues

19

TUBA
Sílvio Carlos Souza dos Santos

13

TROMPETE

Grupo de Referência de Presidente Prudente – Orquestra sinfônica

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Abigail Belchior de Souza

14

VIOLONCELO
Adryan Marra Pedrosa

12

PERCUSSÃO
Alexandre Oliveira Marcucci

18

TROMPETE
Alice Helena Rodrigues de Sousa

18

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Andre Luiz Souza Caetano

15

PERCUSSÃO
Beatriz de Brito Pelegrini

18

VIOLINO II
Bibiana vitória correia pinheiro

15

CLARINETE
Carlos Eduardo Santos de Assis

18

VIOLINO I
Cesar Augusto Martins Vicente

20

VIOLONCELO
Débora Sarah Martins Bispo

13

VIOLINO I
Emanuel Ribeiro da Silva

18

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Endrew Marra Pedrosa

20

PERCUSSÃO
Estêvão Gomes de Souza

17

VIOLONCELO
Gabriela Balsani Morel de Oliveira

16

VIOLA
Guilherme Lopes Pinheiro da Silva

17

TUBA
Gustavo Manoel Martines

20

VIOLINO II
Gustavo Ramos Ferreira

16

TROMPETE
Isaque Cardoso Dias Toledo

13

VIOLINO II
Israel Gomes de Souza

14

VIOLINO II
Juliana Pereira de Carvalho

19

VIOLA
Kelwin Santos Oliveira

19

PERCUSSÃO
Larissa oliveira anholetto

19

VIOLINO I
Lucas Milhorança Pinto da Silva

17

PERCUSSÃO
Luiz Henrique Veiga Magalhães

18

TROMPETE
Luiz Roberto Calegari

19

TROMPA
Marcos Pereira da Silva Filho

18

VIOLA
Maria Eugênia Xavier Cenedese

15

FLAUTA
Maria Izabel Batista

18

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Maria Vitória Lopes Rainho Moreira

16

VIOLA
Matheus Marques de Sales

20

VIOLONCELO
Matheus Moreira Ruiz

17

VIOLONCELO
Micael Fernando Da Silveira

17

VIOLONCELO
Michele Santana Oliveira

19

VIOLINO II
Nicoly Gabriele Garcia do Prado

13

VIOLINO I
Otávio Felipe Vianna Silva

15

VIOLINO I
Pedro Henrique Portela Santana

14

VIOLINO II
Sarah Pontes Martins Soares

19

VIOLINO II
Victor Hugo Marques Scolari

16

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Vitor Cruz

16

TROMPA
Yara Silva Figueiredo

19

FLAUTA
SUPLENTES
Giulia Carneiro Munhoz

16

PERCUSSÃO
Matheus Abner Martins Bispo

13

TROMPETE
Renan Martins de Oliveira

14

PERCUSSÃO

Grupo de Referência de Franca – Camerata de cordas dedilhadas

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Caio Gabriel Sobral de Oliveira

12

VIOLÃO
Carolina Alves Andrade

16

VIOLÃO
Charles Davi Rocha

19

VIOLA CAIPIRA
Davi Miguel da Silva

21

CAVACO
Emily helen de oliveira

17

VIOLÃO
Enzo Gabriel de Oliveira e Silva

17

VIOLA CAIPIRA
Gabriel Antonio de Souza Silva

20

CAVACO
Gilson Roberto Genaro Aza

17

CAVACO
Gustavo Jacomett Floro Silva

20

VIOLÃO
José Paulo Ferreira Ramalho Coelho

19

VIOLÃO
Laura Pereira Borges

13

VIOLÃO
Marco Antonio Gastaldon Neri Alved

16

VIOLÃO
Maria Júlia Donadeli Borges

16

VIOLÃO
Maria Luisa Venancio Jardine Bevilacqua

16

VIOLÃO
Matheus Pena e Souza

19

CAVACO
Murilo Osvaldo Gimenes de Souza

16

VIOLA CAIPIRA
Thales Adhemar Gastaldon Neri Alves

16

VIOLÃO

Grupo de Referência de Jundiaí – Orquestra sinfônica

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Abner De Lima Campos

16

VIOLINO I
Abner Figueira Dos Santos

17

VIOLINO I
Alvaro da Silva Mascena

14

VIOLINO II
Ana Alice Belizario de Mira

18

VIOLINO I
Arthur Rizzo Rigoni

15

VIOLA
Beatriz Stephanie Bocanera

13

CLARINETE
Daynara Pires de Souza

19

VIOLONCELO
Deivison Vitório Nery Santana

17

VIOLONCELO
Eliseu Strano Mille

15

TROMBONE
Frederico Martinhago Tinelli

15

VIOLONCELO
Gabrielle Magalhães Borborema

17

VIOLINO II
Geovana Cristina Santos Pereira

19

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Guilherme Ortiz Souza Felix dos Santos

18

TROMPA
Gustavo Ortiz Souza Felix dos Santos

15

TUBA
Isabela Lira Maffeis Martha

13

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Isabela Rodrigues Barbosa

17

TROMPA
Isabella Ihemis

17

VIOLA
Isabelle de Pinho Guimarães

17

VIOLA
Isabelle Vitoria Moraes Ribeiro

14

CLARINETE
Jéssica Jacintho Azevedo

18

VIOLINO II
Jose Henrique Cardoso Vasconcelos

13

PERCUSSÃO
Julia Bertelle Rigo

17

VIOLA
Juliana Alves Ribeiro

18

VIOLONCELO
Larissa Moraes de Melo

16

FLAUTA
Larissa Oliveira Sirineu da Silva

17

VIOLINO I
Lenita Rigoni Bueno de Oliveira

19

CONTRABAIXO ACÚSTICO
Leticia Rocha de Moraes

14

VIOLINO II
Lívia Maragoni Baldin

12

VIOLA
Marcele Yohana Lavinhatti

19

FLAUTA
Maria Eduarda Lourenço

15

VIOLINO I
Nathan Henrique Campos Alvares

17

PERCUSSÃO
Pedro Marchioretto De Paiva

15

PERCUSSÃO
Rafael Dias Canaveze

14

VIOLONCELO
Samara Amaral dos Santos

17

FLAUTA
Samyra Fernandes de Carvalho

17

VIOLINO II
Taiani Cristina Silva

20

TROMPETE
Victor Vareiro Quintino

13

CLARINETE
Vitoria Dos Santos Umburanas

20

VIOLINO I
Yago Silva Lima

14

VIOLINO II
Yasmin Guidi Magalhães

18

PERCUSSÃO
SUPLENTE
Gabriel Bergamim de Campos

19

PERCUSSÃO

Grupo de Referência de Piracicaba – Coro

NOME

IDADE

INSTRUMENTO
Adriele Quintino Gomes Eleutério

16

VOZ FEMININA
Ana Isabele Lais Cordeiro

18

VOZ FEMININA
Analice Emídio de Camargo

16

VOZ FEMININA
Beatriz Pires Delesposti dos Santos

17

VOZ FEMININA
Bruno Vinicius Garcia

19

VOZ MASCULINA
Diogo de Souza Aguiar

16

VOZ MASCULINA
Emily Pereira de Souza

14

VOZ FEMININA
Enzo Pires Delesposti dos Santos

20

VOZ MASCULINA
Giovana Carcanholo Dlilo

16

VOZ FEMININA
Giovanna Bettiol Balasso

19

VOZ FEMININA
Heloisa Lutgens de Paula

16

VOZ FEMININA
Isabela Beatriz Camargo Silva

20

VOZ FEMININA
Karen Camile Bueno da Silveira

18

VOZ FEMININA
Lazos Battonyai Valeriano

18

VOZ MASCULINA
Leonardo Luca Lins Morotti Delgado

17

VOZ MASCULINA
Manuela Camile Erler

16

VOZ FEMININA
Megara Volpato Munhoz

13

VOZ FEMININA
Melissa Soares De Souza

20

VOZ FEMININA
Natã de Oliveira Dionisio

18

VOZ MASCULINA
Pedro Luiz de Oliveira

16

VOZ MASCULINA
Raphaela Bortolato

16

VOZ FEMININA
Roberth William da Silva Inacio

17

VOZ MASCULINA
Samuel Lais Cordeiro

15

VOZ MASCULINA
Sophia Pereira de Souza

14

VOZ FEMININA
Stéfany Oliveira Malheiros

17

VOZ FEMININA
Talita Peron Campos

17

VOZ FEMININA
Tiago Cordeiro

16

VOZ MASCULINA
Vitor Rodrigo da Cruz

12

VOZ MASCULINA

 

Prazo de validade do Processo, conforme edital
A lista de aprovados(as) deste Processo Seletivo estará vigente a partir de sua publicação e atenderá a temporada 2021 dos Grupos de Referência. A vigência dos(as) aprovados(as) para a temporada 2021 expira assim que a nova lista de aprovados(as) para a temporada subsequente for publicada. A lista de suplentes será publicada juntamente com a lista de aprovados(as) e terá sua vigência pelo período de seis meses, podendo esse prazo ser prorrogado a critério da Sustenidos Organização Social de Cultura.

Processo seletivo complementar
A seleção geral para fazer parte de um dos treze Grupos de Referência acontece todo ano. No entanto, podem ocorrer desistências pelo caminho e, nesse caso, são abertos processos seletivos complementares, que visam preencher as vagas em aberto de determinado GR, mantendo a harmonia do grupo que foi desfalcado.

Retorno presencial
O retorno presencial deverá ocorrer de maneira progressiva, atendendo à deliberação do Plano de Retomada Consciente do Governo do Estado de São Paulo  e a autorização prévia de cada uma das cidades. As famílias receberão as informações necessárias com antecedência, cientes de que todas as medidas de segurança estão sendo tomadas, visando a saúde e o bem-estar dos Guris, familiares, empregados, empregadas e comunidade.

 

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; WestRock; Bayer; Novelis; Arteris; CSN; EMS; Grupo Maringá; NovAmérica Agrícola; Capuani do Brasil; Pinheiro Neto; VALGROUP; Raízen; BTP; Caterpillar; Cipatex; Faber-Castell; Supermercados Rondon; CNH Capital; Instituto 3M; Louis Vuitton; Mercedes-Benz; Petrom – Petroquímica Mogi das Cruzes; Castelo Alimentos; Enel; Pirelli.

Patrocinador Musicou – Sustenidos: CTG Brasil; Grupo Maringá; SulAmérica.

Patrocinador Som na Estrada – Sustenidos: Supermercados Tauste; Sky; Glovis; Supermercados Rondon.

Patrocinador Imagine Brazil e Ethno Brazil – Sustenidos: Sky e Supermercados Tauste.

Patrocinadores Institucionais da Sustenidos: Microsoft e VISA.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos no curso de luteria, nos Grupos de Referência e nos polos da Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 850 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização responsável pelos programas Projeto Guri, Som na Estrada, Musicou e MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange); pelos festivais Ethno Brazil e Imagine Brazil; e pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. No Projeto Guri desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do Estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm suporte fiscal da Lei Federal de Incentivo à Cultura e do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/.

 

Em concerto online, Guris tocam com Hermeto Pascoal, Renato Teixeira e Badi Assad

Juntos e juntas. grande

A pandemia do novo coronavírus mudou a maneira como as pessoas consomem cultura, tornando o meio digital o ponto de encontro entre a arte e o público, com lives, shows, entre outras atividades online. Para encerrar o ciclo de 2020, o Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – recorre ao formato e, nesta quinta (17) e sexta-feira (18), às 16h, exibe dois concertos online com apresentações gravadas de alunos dos Grupos de Referência (GR) do Guri ao lado de artistas convidados.

ntre eles, figuram Hermeto Pascoal, João Donato, Renato Teixeira e Badi Assad. A transmissão acontece pelo canal do YouTube da Sustenidos (https://bit.ly/sustenidos-yt), organização gestora dos polos do Projeto Guri no interior e litoral de São Paulo e será replicada no canal do Projeto Guri também.

Com o tema “Juntas e juntos: Cada qual no seu quadrado”, o programa será conduzido por Carmem Costa, supervisora educacional do projeto.  As apresentações de quinta-feira (17) iniciam com o GR de Santos, que recebe a participação da cantora, compositora e violonista Badi Assad para o vocal de “Paratodos”, de Chico Buarque. “É uma música muito comprida, foi um desafio. Mas, quando a gente se conecta pelo coração, sentindo a letra e o que o Chico Buarque quis dizer com isso, facilita muito”, conta Badi Assad. “Eu pude gravar a minha voz escutando todos os violões, esses jovens tocando. É muito prazeroso saber que a gente pode fazer parte de um projeto assim mesmo que à distância”, completa.

Na sequência, “Ciranda”, composição de Moacir Santos e Gilberto Gil, é interpretada pelos GRs de Piracicaba, Sorocaba e Lorena. “É uma composição muito significativa para esse momento, é tudo o que a gente precisa: união, mãos dadas e muito afeto”, explica o cantor, compositor, arranjador e violonista Zeca Rodrigues, artista convidado que fez os arranjos e toca violão na faixa.

Inaugurando as composições autorais e coletivas dos concertos, o GR de São Carlos apresenta “Episcopation Jazz” com o clarinete e improvisações de Nailor Proveta (saxofonista, compositor, clarinetista, arranjador e educador). O programa de quinta-feira (17) finaliza com o pianista, compositor, arranjador e cantor João Donato, recebido pelo GR de Itaberá. Juntos, tocam “A Rã”, de autoria do próprio João Donato com Caetano Veloso.

O segundo dia do programa, sexta-feira (18), abre com a canção autoral e de construção coletiva “Aurora”, do GR de Araçatuba. Daniel Murray, violonista e compositor que toca violão na faixa, é o artista convidado do grupo. “Muita coisa é apresentada e discutida nestes ensaios do Guri. A garotada passa a conhecer o que eles não conheciam e que são parte da nossa tradição e cultura”, comenta Daniel Murray. “Nos dá ferramentas para entender o mundo em que a gente vive. [O Projeto Guri] É determinante para que a cultura continue existindo”, completa.

Em seguida, com imagens que remetem à cena cultural caipira, a apresentação do GR de Marília homenageia Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira com a canção “Qui Nem Jiló”. O artista convidado é Alisson Amador, que fez os arranjos e toca o vibrafone no registro. “A letra fala que ‘saudade o meu remédio é cantar’ e isso é o que a gente está passando. A gente tem saudade de estar com as pessoas e o nosso remédio é tocar e cantar. É a nossa terapia”, conta Alisson.

Ainda na sexta-feira (18), Renato Teixeira se apresenta com o GR de Franca. A música escolhida é “Vide Vida Marvada”, de Rolando Boldrin com arranjos de Ivan Vilela, adaptada por Zé Guerreiro. Depois, o GR Orquestras Sinfônicas de Presidente Prudente, Jundiaí e a Camerata de Cordas Friccionadas de São José do Rio Preto se unem num grande grupo para tocar “Into the storm”, composição de Robert Smith, adaptada por André Sanches.

O multi-instrumentista Hermeto Pascoal encerra o último dia de concertos. Tocando escaleta, ele participa com o GR de Bauru, que apresenta uma suíte de várias músicas do “bruxo dos sons”. A gravação conta também com o Paulo Maia Trio, trio instrumental da cidade de Bauru.

Além dos concertos, serão exibidos vídeos inéditos produzidos por crianças, adolescentes e jovens do Projeto Guri. “Queremos levar mais arte e cultura para a casa das pessoas. Acreditamos na prática musical como um lugar de refúgio e esperança. Com estes concertos seguiremos juntos e juntas, mas, por enquanto, cada qual no seu quadrado”, finaliza Ari Colares, Gerente Artístico da Sustenidos.

Links de acesso:

Link das lives:

Sustenidos:
17/12: https://youtu.be/XVsXD1WWZrQ
18/12: https://youtu.be/fVnH8YdUdYk

Projeto Guri:
17/12: https://youtu.be/MWI_65Ws8tY
18/12: https://youtu.be/ZvFrrMQlBNg

 

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; Visa; CCR AutoBAn; Instituto CCR; Bayer; WestRock; Microsoft; Supermercados Tauste; banco BV; Novelis; Arteris; EMS; Capuani do Brasil; Faber-Castell; Pinheiro Neto; Santander; VALGROUP; Raízen; BTP; Distribuidora Ikeda; Grupo Maringá; Instituto 3M; Supermercados Rondon; Frigol; Mercedes-Benz; Castelo Alimentos; Enel; GRUPO GR; Cipatex; Grupo Herval, Pirelli.

Patrocinadores Sustenidos: CTG Brasil; Visa; SulAmérica, Sky, Microsoft e Glovis.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 810 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização gestora do Festival Ethno Brazil, Som Na Estrada, Festival Imagine Brazil, MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange) e Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: http://www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/

Anna Murakawa consegue visto para ficar na Austrália, onde dá aula de violino

Ex-aluna do Projeto Guri, Anna  Murakawa é destaque na imprensa mais uma vez. Professora de violino na Austrália, ela conseguiu o visto para permanecer no país onde trabalha.

“Sou Anna Murakawa, tenho 30 anos, nasci e cresci em Osasco, na Grande São Paulo. Por causa do violino, já morei na Bulgária, nos Estados Unidos e acabei de conquistar a residência permanente na Austrália, depois de um longo processo, em que precisei recorrer à corte australiana. Em julho desse ano, meu pedido foi negado sob a alegação de que eu não tinha números nas redes sociais condizentes aos de uma artista. Isso me magoou muito como profissional, como mulher, como imigrante. Eu tinha duas opções: desistir de tudo e sair do país em 28 dias ou apelar à corte em 21 dias e pedir ajuda às pessoas para conseguir mais seguidores. Foi o que eu fiz….

Clique na imagem abaixo e confira a matéria completa, publicada no UOL, dia 10 de dezembro de 2020:

Anna Murakawa - uol

 

Anna Murakawa também foi destaque na série do Guri para o Mundo. Clique aqui e saiba mais.

 

 

 

 

Ensino remoto: educadores do Guri retomam aproximação com jovens da F. CASA

Fundação CASA, em Campinas, aluno de violão

Divulgação/Fundação CASA

Incentivar a produção de composições musicais, o aprendizado de novos estilos e o treino de técnicas vocais são algumas das práticas que o Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – tem proporcionado aos adolescentes em atendimento socioeducativo na Fundação CASA. Entre maio e setembro, o Guri enviou mais de 1.300 atividades (treinos de voz, aulas gravadas e leituras de partituras) para cerca de 60 centros da Fundação. E agora estreita o contato com alunos e alunas por meio de aulas online, em tempo real.

Com aplicação de atividades culturais pelos servidores das equipes pedagógicas dos centros socioeducativos, alunos e alunas dos polos Chiquinha Gonzaga, na Mooca, e do Complexo Brás (como os CASAs Rio Tâmisa e Rio Paraná), entre outros centros, começaram a participar de aulas ao vivo, também chamadas de aulas síncronas, dentro da sala de informática. “É muito importante para os(as) educadores(as) ter contato direto com os alunos. Indicamos que as aulas síncronas sejam feitas a cada quinze dias. Mas, com a ótima receptividade dos alunos, temos polos que já querem fazer as atividades semanalmente”, conta Valeria Zeidan, Gerente Pedagógica da Sustenidos.

A profundidade do impacto positivo dessas aulas na vida dos jovens em medida socioeducativa vai ainda além da educação musical. “São atividades que geram uma interação difícil de ser traduzida, que valoriza os saberes e a autoestima do aluno. Eles estão vendo e ouvindo o professor e, da mesma maneira, se vendo e se ouvindo. Isso é importante para gerar interesse entre os participantes e pelo conteúdo”, completa Valeria.

O envio de atividades remotas (aulas previamente gravadas) passou de quinzenal para semanal. “Os educadores externos tinham uma rotina de contato pessoal com os(as) jovens e, com a pandemia, tudo precisou ser adaptado, com atividades enviadas de forma online e aplicadas por servidores dos centros socioeducativos. O contato com o ‘mundo de fora’ passou a ser por meio virtual”, explica Valeria. “Pensando nisso, conseguimos entender a dimensão do que representa uma aula de música chegar até lá neste momento de interrupção da vida como a conhecemos. Por meio das atividades musicais eles puderam ter acesso a um lugar de liberdade, manter contato com o que estava fora dali”, completa.

Atualmente, nas cerca de 60 unidades da Fundação CASA em que atua, o Projeto Guri oferece oficinas de coral, percussão e cordas dedilhadas – adaptadas ao ensino a distância, seja com o envio de exercícios ou aulas síncronas. Dividido em ciclos de aulas bimestrais, o programa dá início a última etapa de 2020.

No mês de celebração da Consciência Negra, com a inovação do ensino online, os centros da Fundação receberão artistas convidados para aulas gravadas e síncronas. No polo Chiquinha Gonzaga, que atende somente meninas para medidas socioeducativas, a programação contou com uma aula interativa com MC Chai, do grupo Odisseia das Flores. “Queremos trabalhar questões que envolvem a mulher no mundo da música. Empoderamento feminino e a representatividade da mulher no rap também entram na pauta”, conclui a gerente.

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; Visa; CCR AutoBAn; Instituto CCR; Bayer; WestRock; Microsoft; Supermercados Tauste; banco BV; Novelis; Arteris; EMS; Capuani do Brasil; Faber-Castell; Pinheiro Neto; Santander;  VALGROUP; Raízen; BTP; Distribuidora Ikeda; Grupo Maringá; Instituto 3M; Supermercados Rondon; Frigol; Mercedes-Benz; Castelo Alimentos; Enel; GRUPO GR; Cipatex; Grupo Herval, Pirelli.

Patrocinador Sustenidos: CTG Brasil; Visa; SulAmérica e Microsoft.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 810 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização gestora do Festival Ethno Brazil, Som Na Estrada, Festival Imagine Brazil, MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange) e Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: http://www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/

Projeto Guri inicia processo de rematrículas para o primeiro semestre de 2021

Proejto Guri - rematrícula

Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – convida alunos e alunas para a rematrícula. O procedimento, para estudantes dos polos de ensino localizados no interior e litoral, será realizado de modo online de 1º a 18 de dezembro. É rápido, seguro e gratuito.

A link para rematrícula será enviado para as famílias pelas coordenações dos respectivos polos, por meio dos grupos de whatsApp.

As aulas serão retomadas a partir do dia 1º de fevereiro e, independentemente do retorno presencial, alunos e alunas terão acesso às aulas e atividades de modo remoto.

A princípio, o retorno presencial deverá ocorrer de maneira progressiva, atendendo à deliberação do Governo do Estado de São Paulo, e as famílias receberão todas as informações necessárias sobre os procedimentos de volta às aulas com segurança. Entre as ações, forneceremos máscaras laváveis, álcool gel e outros materiais de higienização de instrumentos musicais. Os tamanhos das turmas também serão reconfigurados para garantir a distância mínima entre pessoas recomendada pelos órgãos de saúde.

O Programa atende mais de 50 mil alunos por ano e possui centros de educação musical nas regiões de Araçatuba, Jundiaí, Itapeva, Marília, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São Carlos, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sorocaba e no litoral paulista.

Para novos alunos e alunas, as matrículas serão realizadas a partir de 25 de janeiro.  Aguarde!

Sobre o Projeto Guri: Mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 810 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização gestora do Festival Ethno Brazil, Som Na Estrada, Festival Imagine Brazil, MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange) e Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: http://www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/.

Patrocinadores e apoiadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; Visa; CCR AutoBAn; Instituto CCR; Bayer; WestRock; Microsoft; Supermercados Tauste; banco BV; Novelis; Arteris; EMS; Capuani do Brasil; Faber-Castell; Pinheiro Neto; Santander; VALGROUP; Raízen; BTP; Distribuidora Ikeda; Grupo Maringá; Instituto 3M; Supermercados Rondon; Frigol; Mercedes-Benz; Castelo Alimentos; Enel; GRUPO GR; Cipatex; Grupo Herval, Pirelli.

Patrocinador Sustenidos: CTG Brasil; Visa; SulAmérica e Microsoft.

Sobre o Projeto Guri: mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 810 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização gestora do Festival Ethno Brazil, Som Na Estrada, Festival Imagine Brazil, MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange) e Projeto Guri. Desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: http://www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/

Moacir Santos: maestro, compositor e mestre de uma geração de músicos

Moacir Santos nasceu em julho de 1926, em Pernambuco, e veio para o Rio de Janeiro em 1948 com a finalidade de se tornar um Maestro completo, estudando com os mais renomados professores da época, tornando-se assistente do Professor H.J. Koellreutter.

Foi nomeado um dos maestros da Radio Nacional, TV Record, arranjando e conduzindo orquestras de teatros de revista.

Em 1960 foi homenageado na celebre frase de Vinicius de Moraes, na qual pede a Benção ao maestro (Samba da Benção).

Em 1967 vai para os EUA, onde participa da equipe de criação Lalo Schifrin, na serie para TV Missão Impossível.

Lança o 1º disco nos Estados Unidos (The Maestro) e recebe a indicação para concorrer ao Grammy Award.

Moacir volta ao Rio, acompanha as gravações de Ouro Negro, é reconhecido por sua enorme contribuição no Brasil e no exterior, e recebe o prêmio Multicultural Estadão pelo conjunto de sua obra.

Os primeiros sons que povoaram a infância de Moacir Santos foram os da tradição cultural nordestina, como o baião, o dobrado, o choro, o maracatu e o frevo, ouvidos e praticados nas bandas filarmônicas e jazz-bands do Alto Sertão pernambucano. A música Ciranda das Flores composta por Moacir Santos em parceria com Gilberto Gil traz a leveza, a brincadeira praiana na levada de ciranda.

Para homenagear esse grande compositor, os Grupos de Referência de Lorena, Piracicaba e Sorocaba cantam a Ciranda das Flores no arranjo especialmente feito por Zeca Rodrigues.

Na série Guri Convida, o Grupo de Referência de São Carlos – Big Band em parceria com Nailor Proveta, outro grande representante da música brasileira, apresentou, em 2019, a composição Jequié (a partir de minuto 16:30 no vídeo anexo). 

Confira aqui  a versão de Ciranda das Flores com os Grupos de Referência de Piracicaba, Lorena e Sorocaba.

Texto escrito por Jotagê Alves, coordenador educacional da Sustenidos e arranjador. 

Consciência Negra: você sabe qual a importância da educação antirracista?

Angela Davis

Angela Davis, educadora americana

A educação antirracista liberta dos valores violentos ensinados desde a colonização do Brasil e que visa entender as estruturas da nossa sociedade que causam segregação e muita desigualdade social. Assim, queremos sugerir um caminho de reflexão, formação e compreensão de temas necessários para uma prática educativa transformadora e consciente.

Vale lembrar que a formação da sociedade brasileira é cunhada na escravização de populações originárias de países do continente africano e da população indígena, e que o processo de abolição foi feito com base nos privilégios eurocêntricos sem nenhuma perspectiva de cidadania e por isso, somos estruturalmente submetidos a uma educação racista, que nos aliena e perpetua processos de manutenção do poder dos grupos dominantes.

É também por isso que no Brasil existem altos índices de violências, segregação e desigualdade social, principalmente com a população preta, periférica, indígenas, mulheres e com o público LGBTQIA+…

No Brasil, o racismo é um mecanismo sofisticado de estrutura de poder que aliena, explora e violenta pessoas todos os dias! É preciso se dedicar a compreender esse processo, suas complexidades e buscar alternativas para combatê-lo.

“Não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”, reforça Angela Davis, filósofa e educadora americana.

Sendo assim, na intenção de fortalecer um processo formativo constante antirracista, a Sustenidos convida você para assistir um vídeo, ler um texto, ver um filme, analisar a letra de uma música ou qualquer ação que possa contribuir com a sua formação pessoal e profissional sobre o tema, e assim, a partir de cada um de nós, começarmos uma mudança que pode beneficiar todo mundo!!

O compartilhamento de informações amplia nossa rede de fortalecimento e construção de uma sociedade mais musical, humana e transformadora!!!!

Racismo Estrutural e Institucional – O que é isto?

Vídeos formativos:
Racismo é um mecanismo complexo, que cria vulnerabilidade e poder, por Silvio de Almeida

https://www.youtube.com/watch?v=PF0r9DniS_E&feature=youtu.be

“Não existe racismo que não seja estrutural. Ele é um mecanismo muito complexo que cria, de um lado, vulnerabilidade, e, de outro, poder. Não existe racismo fora de uma relação de poder. Ele depende de estruturas sociais para que a discriminação continue sendo sistêmica”, analisa o jurista e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Silvio Luiz de Almeida, em entrevista ao UM BRASIL – uma iniciativa da Fecomercio/SP. Ele enfatiza que o racismo não se isola em um ato de violência, mas cria um sistema em que alguns são beneficiados, e outros, prejudicados socialmente. Almeida caracteriza essa estrutura como sendo constituída de Estado, ideologia, Direito e economia.

Quando o Criolo dança. Dirigido por Dilma Lóes https://www.youtube.com/watch?v=tY3DlN2qloU&feature=youtu.be

Vídeo sobre o racismo no Brasil, dirigido por Dilma Lóes, realizado em 1988, no Rio de Janeiro. Roteiro premiado pela Fundação Ford e Medalha de Bronze no International Film & TV Festival of New York-1989, finalista no Festival de vídeo de Dortmund, Alemanha e vencedor da Jornada de curta metragem de Salvador. O filme aborda o racismo no Brasil e a exclusão de toda uma população, através de um racismo velado onde não se vê a presença de pessoas negras em diversos setores da sociedade, como também na tv, comerciais, etc. O difícil combate ao racismo num país que vende para o mundo a imagem mentirosa de ser o único país onde não não existe o racismo. País este com um dos maiores índices de assassinatos de pessoas negras. Entrevistas intercaladas com cenas de ficção.

O mundo global visto do lado de cá. Milton Santos

https://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM&feature=youtu.be

O mundo global visto do lado de cá, documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização sob a perspectiva das periferias (seja o terceiro mundo, seja comunidades carentes). O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual baiano Milton Santos, gravada quatro meses antes de sua morte.

Marcha Zumbi dos Palmares – 1995. Entenda a data 20 de Novembro

https://www.youtube.com/watch?v=K8IPjx_Z_wQ&t=130s

Documentário de valor histórico inestimável produzido pela Organização da Marcha Zumbi dos Palmares – 1995 realizada em Brasília em alusão aos 300 anos da morte de Zumbi. Momento de articulação política ímpar do Movimento Negro. Os resultados desta ação continuam repercutindo na formulação de políticas públicas no Brasil

 

Textos

1)      O que é Racismo Estrutural? De Silvio Almeida

2)      Dialética radical do Brasil Negro. Ambos de Clóvis Moura

3)      Lugar de Negro. Lélia Gonzáles

4)      Sociologia do Negro Brasileiro. Clóvis Moura – Editora Perspectiva

 

Para ouvir
O Haiti Gilberto Gil e Caetano Veloso
https://www.youtube.com/watch?v=X1z1Chpj-fI

Racistas Otários. Racionais MC
https://www.youtube.com/watch?v=2nLLihbYNFs

Bota Fé. Bia Ferreira
https://www.youtube.com/watch?v=kDPcv7uqXNA

Coletânea do REAJA
https://www.youtube.com/watch?v=03uZI4VPo4w

Para assistir
Reaja ou Será Morto, Reaja ou Será Morta
https://www.youtube.com/watch?v=Zrg0GiHOfvg

Vaguei nos livros e me sujei com a merda toda
https://www.youtube.com/watch?v=ltBuN9CgLw4

Alma no Olho – Zozimo Bulbul
https://www.youtube.com/watch?v=RTQlaxiokBA

Conheça e fortaleça
Pretinhas Leitoras: Infâncias que compreendem e denunciam o mundo através da literatura negra
https://www.instagram.com/pretinhasleitoras/?hl=pt-br 

Back Spin Crew grupo precursor da cultura Hip Hop no Brasil, formado em 1985
https://www.instagram.com/backspincrew1985/?igshid=6oci3xfm8vgd

Canal do Thiagson
https://www.instagram.com/canaldothiagson/?hl=pt-br

Luderê Afroludico
https://www.instagram.com/ludereafroludico/?hl=pt-br

Poetisas e Escritoras
Cinthya (Kimani)
https://www.instagram.com/kimani_poeta/?hl=pt-br

Conceição Evaristo
https://www.instagram.com/conceicaoevaristooficial/?hl=pt-br

Maria Carolina de Jesus
https://www.instagram.com/carolina_maria_de_jesus/

Artista Plástica
Rosana Paulino:
https://www.instagram.com/paulino9076/
https://www.rosanapaulino.com.br/

Livros para aprofundar
Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina, de Anibal Quijano
Pequeno Manual Antirracista, de Djamila Ribeiro

Textos e indicações complementares enviados pela Superintendência de Desenvolvimento Social

Itamar Assumpção, a Vanguarda Paulista e a produção independente

Itamar Assumpção, vulgo ‘Nego Dito’, nasceu em 1949, na cidade de Tietê e lançou seu primeiro álbum em 1980, com a banda Isca de Polícia – o icônico Beleléu Leléu Eu, de produção independente, carregando muito do que o artista trazia como característica em suas performances: um experimentalismo plástico-cênico-musical consonante com o espírito do movimento cultural denominado convenientemente pela crítica da época como “Vanguarda Paulistana”. Segundo o dicionário Cravo Albim, o termo se consolidou como referência à geração musical (1979-1985) que tinha como reduto um espaço alternativo que, nos anos 1980, abrigou diversificadas experimentações musicais, como o teatro Lira Paulistana, localizado na Praça Benedito Calixto, em São Paulo, da qual Itamar foi uma das figuras mais emblemáticas.

Não são muitos os artistas que conseguiram sintetizar em sua obra a complexidade das sensações e estímulos vivenciados por alguém na cidade de São Paulo. A esse ritmo da metrópole lançou-se em Itamar, artista negro e independente, na contramão dos procedimentos impostos pela indústria cultural. “Viveu a beleza e a dureza de ser independente, num país de capitanias hereditárias pouco afeito a esse formato” mencionou Djamila Ribeiro em um artigo publicado no museu virtual dedicado ao artista, fato reafirmado no disco Às próprias custas (1983), bancado pelo próprio artista e gravado a partir de uma série de shows em São Paulo. Sua discografia seguiu na década de 80 com Sampa Midnight (1986) e Intercontinental! Quem diria! Era só o que faltava!!! (1988). Na década de 90, já acompanhado pelas Orquídeas do Brasil – banda formada exclusivamente por mulheres – gravou Bicho de 7 cabeças vols. I, II e III. De volta com Isca de Polícia gravou Ataulfo Alves por Itamar Assumpção e o último, gravado antes de seu falecimento em 2003, Pretobrás.

Na vida sou passageiro
Eu sou também motorista”
(“Vida de artista”, do álbum Pretobrás)

Sua produção no entanto não se esgotou. Ainda foram lançados postumamente os dois volumes restantes de Pretobrás, com a participação de diversos artistas. Isso vai dar repercussão fecha o ciclo em uma parceria com Naná Vasconcelos.

“Você quer harmonia, mas que harmonia é essa?” Modulações inusitadas, colagens de falas e melodias, vozes em arranjos que parecem ser feitos para naipes de sopros; breques e jogos rítmicos de um groove-reggae-de-breque experimental; flertes com a música atonal, carregado de imagens. Há muito mais o que se dizer sobre Itamar, mesmo porque seus discos não se limitavam à música. São enredos.

Referencias:
Dicionário Cravo Albim da Música Popular Brasileira. Disponível em https://dicionariompb.com.br/
Museu Virtual Itamar Assumpção. Disponível em https://expo.itamarassumpcao.com/
Programa ensaio (TV Cultura:1999). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=uiQxFFWrx-Y

Texto escrito por Luiz Fidalgo, Coordenador Técnico-Artístico-Pedagógico da Sustenidos, organização gestora do Projeto Guri