fbpx

Intercambistas do Projeto Guri contam experiência no Malawi, Moçambique e Noruega

Nkhotakota Music Festival

Intercambistas participam do Nkhotakota Music Festival, no Malawai

Rafael Aparecido Soares, Luana Paula Carvalho Silva, Mariana Duarte da Silva, Jhenifer Nayara e Meliely Francine Sousa participaram da edição mais recente do MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange). O programa de intercâmbio para músicos foi criado pela JM Norway, em parceria com a instituição musical Music Crossroads, do Malawi e de Moçambique, e promovido no Brasil pela Sustenidos Organização Social de Cultura – gestora do Projeto Guri. De volta ao Brasil, os jovens contam suas experiências, compartilham aprendizados e fazem projeções de como a viagem contribuirá para a vida pessoal e profissional.

Desde 2015, o MOVE é realizado do Brasil. Ex-alunos e educadores do Projeto Guri – maior programa sociocultural brasileiro, mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – podem participar do programa de intercâmbio. Os jovens são eleitos em um rigoroso processo seletivo e passam dez meses (este ano a estadia foi abreviada por conta da pandemia) nos países participantes: Noruega, Malaui e Moçambique. Durante a jornada, eles atuam em festivais, competições e capacitações. No mesmo período também recebemos jovens dos países parceiros.

Rafael Soares, ex-aluno no Polo Álvaro de Carvalho e educador no Polo Sabino, contou que essa experiência trouxe maturidade para a sua carreira como docente. “Mais do que só transmitir o conhecimento, ser educador requer paciência, cuidado, empatia, além de estratégia e assertividade. É preciso entender cada aluno, compreender suas expectativas e desafios e saber que cada um tem suas necessidades e tempo de aprendizado diferente”, ressalta. A experiência em Moçambique reforçou em Soares o gosto em ensinar, por isso o músico pretende ingressar na universidade, fazer bacharelado em violão e se especializar na área.

Para Luana Paula estar próximo e aprender com os professores trouxe um novo olhar para a sua carreira. “Poder acompanhar as aulas foi essencial para o meu desenvolvimento. Participei da aula do professor Simba, na escola Music Crossroads Malawi, e ele era responsável por uma turma de 32 alunos que possuíam algum tipo de deficiência. Fiquei admirada com o jeito que ele exercia a concentração e o respeito nas aulas. Com certeza são pontos que vou trazer para a minha jornada”. Luana foi aluna do Projeto Guri, no Polo Piracicaba, onde estudou percussão e participava do coral. Ela também estudou no Conservatório de Tatuí. Hoje é professora de música e trabalha com crianças e jovens com deficiência visual. “Sinto que aprender um pouco do que o universo nos traz, e ensinar um pouco do que sabemos enriquecesse o sentido da nossa existência”, finaliza.

Para Mariana Duarte da Silva, intercambista no Malawi, a viagem proporcionou mais independência e a vontade de continuar na carreira musical. “Durante o MOVE pude participar de diversos festivais, mas também pude ensinar nossa cultura para crianças e jovens. Foi um momento de muita troca e aprendizado, que com certeza vou levar para toda a minha vida”. O mesmo aconteceu com a Jhenifer Nayara que estudou coral e flauta transversal no Polo Piracicaba. “O intercâmbio na Noruega me ajudará muito profissionalmente, primeiro porquê abriu os meus horizontes no sentido de provar para mim mesma que eu posso fazer importantes coisas por meio da música, além de me instigar a aprender mais e trabalhar com os diferentes meios dentro do segmento”, explica.

Foi durante a estadia na Noruega que ex-aluna do Polo Batatais, Meliely Francine Sousa, teve a ideia de fazer um documentário musical, mostrando todo o processo para a criação de uma composição. O trabalho está em andamento e contará com a participação de intercambistas da Noruega e de Moçambique que ela conheceu na viagem. Durante sua passagem por Moçambique, Meliely participou das aulas de vocal e foi representante de turma, atuando em outros projetos. “A música sempre moveu a minha vida e esse intercâmbio veio para reforçar isso, me proporcionando uma mudança de dentro para fora”, explica a musicista.

MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange).
O programa, custeado pelas Forças de Paz da Noruega (Fredskorpset – FK Norway), envia jovens dos países participantes para intercâmbios com o intuito de desenvolver novas habilidades individuais, interpessoais e culturais, ampliando e enriquecendo também as referências das comunidades onde eles desenvolvem projetos e atividades transformadoras. Desde 2015, esta iniciativa já beneficiou 40 jovens brasileiros e estrangeiros.

Devido às restrições impostas pela pandemia, o MOVE foi interrompido em 2020 nos países parceiros: Noruega, Malawi, Moçambique e Brasil.  As atividades de intercâmbio que regularmente iniciam na Noruega e continuam nos demais países parceiros, serão retomadas apenas em 2021. http://www.sustenidos.org.br/move/
Patrocinadores do Projeto Guri – Sustenidos: CTG Brasil; CCR AutoBAn; Instituto CCR; VISA; Bayer; WestRock; Microsoft; Supermercados Tauste; banco BV; Novelis; Arteris; EMS; Capuani do Brasil; Faber-Castell; Pinheiro Neto; Santander; VALGROUP; Raízen; BTP; Distribuidora Ikeda; Grupo Maringá; Instituto 3M; Supermercados Rondon; Frigol; Mercedes-Benz; Castelo Alimentos; ENEL; GRUPO GR; Cipatex; Grupo Herval, Pirelli.

Patrocinadores Sustenidos: CTG Brasil; Visa; SulAmérica e Microsoft.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *